AS 10 OBRAS MAIS IMPORTANTES PARA O TEATRO NACIONAL

Fala galera,
Hoje resolvi trazer mais uma lista pra vocês. Dessa vez, com as 10 obras - que eu considero - mais importantes para o teatro nacional. Já procurei algumas listas relacionadas ao tema, mas não achei uma quantidade boa de blogs e sites que falasse sobre obras nacionais, apenas exaltando autores como Shakespeare, Arthur Miller, Harold Pinter etc. 

Pois bem, na minha lista encontra-se nomes como o de Chico Buarque, Nelson Rodrigues, Ariano Suassuna e entre outros. Confesso que foi bem difícil de fazer, por causa da gama de obras incríveis e que são muito importantes para o teatro nacional, para escolher apenas 10, mas consegui! 

Veja abaixo minha lista com as 10 obras mais importantes para o teatro nacional (não estão em ordem de preferência): 


1. GOTA D'ÁGUA -  Chico Buarque e Paulo Fontes (1975)

Considerei Gota D'água como uma das 10 mais importantes por ser uma das obras que foi censurada no período da ditadura militar e mesmo sofrendo alguns cortes negociáveis foi recorde de público e críticas.

Ela é uma tragédia urbana em que retrata o drama entre o casal Joana e Jasão, que tem seu casamento arruinado pelo fato de Jasão trocar Joana por Alma. Insatisfeita, Joana mara seus dois filhos e depois comete suicídio.

2. A BEATA MARIA DO EGITO - Rachel de Queiroz (1958)

Uma das autoras brasileiras que mais gosto no teatro, Rachel costuma fazer em suas obras grandes personagens. Amo sua linguagem, a pesquisa histórica... A história se passa em 1914 e retrata a tradição das beatas de Juazeiro do Norte, no Ceará.

3. ÁLBUM DE FAMÍLIA -  Nelson Rodrigues  (1945)

Para escolher entre todas as obras de Nelson Rodrigues foi a parte mais difícil, mas acredito que tenha feito uma boa escolha e espero que vocês concordem comigo.

A história é bem criticada e não é pra menos. Conta a história de uma família "feliz" aos olhos do narrador. Mas, quando na verdade é cheia de perversões e certos tipos de paixões. O pai costuma levar para casa meninas de 12 à 16 anos para tirar a virgindade delas, para que possa se satisfazer sem correr o risco de não aguentar a atração que sente pela filha caçula Glória.

Glória por sua vez, sente uma admiração muito grande pelo pai e está longe de ser tão fraternal como pensamos. O filho primogênito também não é o único que se sente atraído por Glória, que até se castrou para evitar ficar consumando seu desejo. O segundo filho é apaixonado pela mãe. A mãe tem uma paixão pelo terceiro filho, que ficou louco por ter uma relação incestuosa com a mãe.

4. AUTO DA COMPADECIDA - Ariano Suassuna (1955)

Essa obra acredito que todos devem saber, não é mistério para ninguém, por até ter filme. A peça tornou-se conhecida por tornar o popular em erudito. Ela se passa em 3 atos, contando o drama do Nordeste brasileiro fazendo uma mistura de comédia, literatura de cordel, cultura popular e um pouco do barroco católico.

5. O HOMEM E O CAVALO - Oswald de Andrade  (1934)

Falar em teatro naturalista e não citar Oswald de Andrade é cometer uma das maiores gafis, principalmente, quando se tem O Homem e o Cavalo quebrando todos os paradigmas.

A obra é uma viagem panorâmica pela história da humanidade, que procura entender o capitalismo, discutir o socialismo e repugnar o fascismo.

6. DEUS LHE PAGUE -  Joracy Camargo (1932)

Foi a primeira obra brasileira que se apresentou fora do país. E conta a história de um mendigo que resolve fazer justiça à sociedade.

7. ELES NÃO USAM BLACK-TIE - Gianfrancesco Guarnieri (1958)

Eles Não Usam Black-Tie é uma obra famosíssima também, acredito que muitos de vocês já leram ou já ouviram falar. É uma peça que nos traz muitas reflexões sobre o ser humano e retrata as greves e a vida operária. Ficou mais de um ano em cartaz em São Paulo.

8. ÓPERA DO MALANDRO - Chico Buarque  (1978)

A peça se passa nos anos de 1940 onde o jogo, prostituição e o contrabando eram legais. E conta a história de um lugar chamado Brasilis, onde haviam muitos malandros.

9. LIBERDADE, LIBERDADE - Millô Fernandes e Flávio Rangel (1965)

Se for falar em teatro de protesto tem que falar de Liberdade, Liberdade. É considerado um marco na história do Brasil por criticar a repressão do golpe militar de 1964. A peça são quatro atores interpretando 57 personagens que usam textos de Sócrates, Platão, Abraham Lincoln, Castro Alves, Martin Luther King, Vinicius de Moraes, Cecília Meireles, Shakespeare, entre outros.

10. O ABAJUR LILÁS - Plínio Marcos  (1969)

Seria muito covarde de minha parte não colocar nenhuma obra do Plínio Marcos, né? Autor incrível, que ganhou meu respeito quando conheci O Abajur Lilás.

Foi uma das obras que também foi escrita na época da ditadura e não foi aprovada pela censura. Após 11 anos depois, Plínio conseguiu libera-la, em 1080. A obra retrata as partes mais marginalizadas da sociedade, fazendo uma ponte com as relações de poder estabelecidas.


Então gente, foi isso! Espero que gostem! Acredito que vocês conheçam maioria das obras que estão em minha lista e que concordem comigo. Caso vocês achem que ficou faltando alguma outra obra comentem aqui!!!!


2 comentários:

NÃO USE OS TEXTOS AQUI CITADOS PARA FINS LUCRATIVOS. CASO CONTRÁRIO SERÁ CONSIDERADO PLÁGIO. . Tecnologia do Blogger.